Me deu vontade de gritar ao mundo, toda a minha experiência com drogas, ao absurdo que essa escolha me levou. Não vou poupar palavras, palavrões, sentimentos, nenhum deles, todos seram ditos sem a menor maquiagem, afinal se não poupei minha vida, não será agora que vou medir palavras.

Tudo que ler é a mais pura verdade, como vivo agora e muitos momentos de meus diários, escrevi tudo esses anos todos. Não vou citar nomes verdadeiros, nem o meu, muito menos os daqueles que comigo dividiram esses 26 de vida no uso ativo de drogas. As informações que eu omitir será apenas para evitar que invadam minha privacidade, minha vida no momento.

Não sei que ordem vou dar a cada postagem, não sei se vou seguir ordem cronólogica. Vai assim do jeito que eu sentir vontade de contar. (Desculpem, se na forma de redigir contém erros seja eles quais forem eu sei que é agradável aos olhos ler algo sem erros, mas como não sou escritora e estou mais atenta aos sentimentos, é bem provável que vá acontecer mas vou tentar me policiar).

Caso queiram entrar em contato, para dúvidas, perguntas, alguma curiosidade - email:
existenciaativa@hotmail.com

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Medo!

Antes de passar pra fase que eu chamo de aperfeiçoamento com a drogas, vou contar uma das “roubadas” ( confusão, encrenca, perigo), que só acontecem com quem se envolve com o que está errado:
Eu a Lua e a Suzi, éramos 3 adolescentes bonitas, cada uma com um tipo físico (uma loira, uma morena e uma branca) chamávamos a atenção,  a idade o tipo físico, o fato de sermos mulheres, facilitava muito conseguir drogas. Num desses tantos dias que eu saia de casa, pra ir pra escola e não ia, fomos pra casa da Lua, nesse dia eu estava com muita vontade de fumar. Era começo de noite e nós fomos numa “boca”, o traficante já era nosso conhecido, mas ele disse que não tinha chegado ainda, mas que tal fulano que estava vindo podia fazer uma presença ( gíria usada pra dizer que ele nós daria a droga) pra nós, melhor ainda. A lua o conhecia vagamente falamos com ele, ele disse que tinha e saímos pra um lugar mais afastado. Num pedaço do caminho encontramos com dois amigos dele que estavam de carro, ele falou pros caras que ia com as “princesas” dar uma bola (fumar maconha) . Vamos fumar juntos e nós entramos no carro (era em torno de uma 8 da noite por ai). Eu nunca tinha visto nenhum dos três, um deles tinha mais ou menos a nossa idade ou um pouco mais e os outros dois era o que eu considerava na época velho ( algo em torno da idade que tenho agora...rs uns 40 anos. Como mudamos!). O motorista pegou  uma estrada que saia próximo a represa (lugar onde fumei pela primeira vez), Mas ele não ficou tão próximo da avenida, começou a adentrar em lugares que mal havia casa na época, iluminação nem pensar. Eu olhei pras meninas e pensamos a mesma coisa onde esse cara esta indo, e a Lua perguntou, ele disse que era um lugar “da hora”, paramos depois de rodar uns 15 minutos no meio do nada em uma casa abandonada a beira da represa, descemos uma escada subimos na laje dessa casa e um deles começou a preparar a droga, fizeram um cigarro de maconha de um tamanho que eu nunca havia fumado antes e começamos o “acende, puxa, prende e passa” ficamos uma meia hora por aí,  até fumarmos tudo, estava uma noite quente, a beira da represa eu estava achando tudo lindo, fora algo estar me incomodando por não conhecer os caras e estarmos tão longe de casa. Mas tudo bem valia a loucura, mal acabamos de fumar e... lógico os caras começaram a querer nos beijar, que nojo!
Eram homens, fortes, vividos e eu ainda era virgem, pensei : a gente de ferrou esses caras vão estuprar a gente . E bem que tentaram depois de muito “para com isso, chega, não quero, vamos embora”. Eles concordaram, saímos daquela casa e voltamos pro carro. É horrível usar droga e sentir medo, mistura reações a adrenalina fica a mil, os sentidos entram em conflito. E aquele filho da puta, começou a dirigir e  nós não reconhecíamos o lugar, de repente ele parou mais distante ainda de onde estávamos no meio do “mais nada ainda” e disse que eles não iriam sair de lá assim, sem nada. Saímos do carro e começaram o assédio novamente, sabíamos que se não fizéssemos algo não teria jeito, a Lua entre nós três disse palavras rápidas em quase silêncio: vamos fugir, vamos correr. Assim que conseguimos tirar aquelas mãos nojentas de cima da gente, começamos a correr, mas um deles me pegou pelo braço, nem lembro o que tanto falei a ele, lembro que ele me olhava sem dizer nada com um ar ironia, rindo, as meninas tinham sumido na estrada, numa escuridão onde a claridade era somente da lua, eu não tinha muito que pensar, mordi o braço do fdp e saí correndo o máximo que podia, quando me afastei um pouco as meninas estavam escondida abaixamos num matagal, capinzal algo assim, ficamos as três ali o mais quieta possível, o coração a mil por hora. Felizmente depois de procurarem um tempo desistiram e foram embora!
Mas e agora, onde estávamos que lugar era aquele?! vamos andar, correr na única estrada que víamos, e saímos sei lá quanto tempo ficamos andando, chegamos a um clube, perguntamos ao segurança onde estávamos e como faríamos pra chegar a tal estrada. Ele explicou, eu não entendi nada, só entendi que estava muito longe de casa e pro meus pais eu estava na escola. Continuamos a andar,  uns 10 minutos depois vimos um farol de carro, a primeira reação foi nos escondermos, achando que eram os fdp, mas graças a Deus não. Era o motorista desse clube, nós praticamente nós jogamos na frente do carro falamos que estávamos perdidas, se ele nós levaria até tal lugar, ele aceitou e nós deixou muito próximas a casa da Lua. Acabou o pesadelo! Eu nunca havia sentido tanto medo como nesse dia e demos sorte, porque depois, pensando bem eles não fizeram conosco o que bem entenderam porque não quiseram.
Lições aprendidas: Nunca mais peguei carona com estranhos, e só usava drogas com pessoas da minha  faixa etária.
Hoje: Quanta irresponsabilidade, imaturidade em todos os sentidos. Foi um momento de muito, muito medo!

7 comentários:

  1. Vida,

    Estas situações aparecem na hora da fissura, não é?
    Se você esta só com gente conhecida e a droga suficiente, otimo...e se não tiver, vai-se atras e a probabilidade de roubada aumenta...é um risco...

    O seu texto nos levou ao matagal....

    bjo

    ResponderExcluir
  2. Olá querida!

    Sua luta deve ter sido grande!!!!

    Continue nela e sempre será vencedora ,é o que desejo,de coração!

    Um beijo carinhoso!

    Sonia Regina.

    ResponderExcluir
  3. Agora só passei para te agradecer e deixar um beijinho.

    Volto mais tarde.

    Nanda

    ResponderExcluir
  4. Minha querida...
    Pois estamos chegando onde vi pessoas amadas minhas chegarem, infelizmente: sexo a troco de drogas....e até prostituição.Muito perigoso...uma coisa puxa a outra...
    Meus Deus, que bom que escaparam e que o pior não aconteceu...pois o estupro na vida de uma uma mulher é algo DEVASTADOR...acredite...é o FIM.É o que de pior pode acontecer...ainda mais se esta mulher for estuprada de "cara limpa"...Deixa marcas ETERNAS...creio que é uma cicatriz que está sempre um pouco aberta...

    O "Vida"...não sabe como estou feliz por poder estar acompanhando sua história de vida...

    Que a LUZ e todas as ENERGIAS do bem sempre te acompanhem...

    beijos com um abraço muito apertado,

    Bia

    ResponderExcluir
  5. Me ajuda a decifrar um misterio da vida de um primo meu!!!!!! ele tem 17 anos e a pouco tempo começou a ter convulsoes do nada e por nos preocuparmos muito, decidimos que ele iria fazer uma tomografia e um eletroencefalograma e nada constou nesses exames! ate que hj converssando com ele e contando do resultado do exame, ele me respondeu: Deve ter sido meus problemas acumulados, rsrsrrsrs. Perguntei e ele me contou que a namorada dele usava po e por isso ele terminou com ela!!!!!! o que axar dessa situçao??????

    ResponderExcluir
  6. Olá família souza,
    Eu tive convulsão em consequência do uso de drogas, por sinal nada tb apareceu em exames de eletro e tomo.
    O que me passam é muito pouco pra eu poder dizer algo, se ele esta ou não envolvido com drogas, sem contar que o conhecimento que tenho é apenas da minha vida pessoal e de muitos que convivo, mas não sou especialista, não tenho formação medica por ex.
    Convulsão pode ser causada por diversos fatores, pode ser hereditária, pode estar na pessoa a propensão a isso e alguns fatores podem desencadear; as drogas com certeza são um desses fatores, principalmente o álcool.
    O que eu faria no lugar de vocês é levar ele daqui um tempo para repetir esses exames, tentar obter mais informações da vida dele, nem que seja numa terapia e no mais ficar atenta ao comportamento dele.
    Não sei se pude ajudar nesse "mistério", na verdade a convulsão em si é um mistério, até hoje a ciência não avançou como eu, por ex, gostaria, mas a vida de um jovem com as drogas não tem mistério nenhum. Mas não posso afirmar de maneira alguma que ele esteja envolvido com drogas, faltam dados do comportamento dele.
    Boa sorte, se eu puder esclarecer algo estou aqui, lembrando que o que trago de conhecimento é apenas minha vivência nesse mundo horrível das drogas.
    Abraços.

    ResponderExcluir